terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Desabafo: Péssimo atendimento na Papelaria Glória da 710 norte

Eu não sou do tipo barraqueira que arma rebuliço por coisa a toa. Quem me conhece sabe. Mas hoje passei tanta chateação na Papelaria Glória da 710 norte que gostaria de compartilhar meu ressentimento e fazer com que ninguém mais passe pelo que passei por lá.

Fiz a encomenda de uns livros para minha filha mais velha lá. No ato da encomenda perguntei se poderia efetuar o pagamento de R$437,00 na entrega e fui informada que não. Nada mais me disseram, fiz meu cadastro, meu pedido e o pagamento em cartão de débito. 

Quando os livros chegaram recebi uma ligação de um funcionário que também avisou que eu precisaria arcar com mais R$18,80 por conta de um reajuste no valor de um dos livros. Avisei que não estava de acordo, pois não tinha sido informada dessa possibilidade no ato da encomenda e pedi que informasse à gerência que eu iria questionar essa cobrança. 

No mesmo dia busquei parte dos livros, inclusive o que teve o valor reajustado, mas teria de retornar para buscar um outro da lista que ficou faltando. Ele nada mencionou a respeito da diferença de R$18,80. Acreditei que ele já tinha levado a questão à gerencia, informado do próprio erro e que o problema estava resolvido.

Hoje, novamente recebi uma ligação informando que o livro faltoso havia chegado. Ao buscar, porém, fui surpreendida com a cobrança. Pedi para falar com a gerência. Uma senhora pouco amistosa chegou me questionando "O que foi?". Ela é a dona do estabelecimento. Com muita calma expliquei que não havia sido informada no ato da encomenda da possibilidade de um reajuste no valor pago. Ela falou que os funcionários são instruídos a informar e que por não ganhar nada com a venda desses livros (será que nem uma comissãozinha??) que eu não poderia levar o material sem efetuar o pagamento, porque "a papelaria não pode pagar para você". Repeti que não fui informada e que apenas por conta disso estava questionando a cobrança. Ela perguntou ao funcionário que me atendeu se ele havia informado e o rapaz respondeu que sim - na minha frente! Fiquei chocada e olhando nos olhos dele perguntei se ele tinha coragem de afirmar que me avisou dessa possibilidade no ato da encomenda: "Sim, a senhora não deve se recordar". Ela disse que se eu não efetuasse o pagamento da diferença que esse valor seria descontado do funcionário. Eu falei que isso era terrorismo e que eu não queria prejudicar ninguém, apenas não concordava com a cobrança (por não ter sido informada antes). A senhora pegou o livro que eu iria levar e disse que me daria o dinheiro daquele livro de volta e que eu poderia comprá-lo em outro lugar. Expliquei que o livro que teve o reajuste não era aquele e que eu já tinha levado o tal livro para casa, mas ela foi incapaz de me escutar. Pegou o valor referente ao livro e me devolveu. Eu fui embora achando essa transação meio estranha, mas certa de que eu não teria um gasto maior do que os R$437,00 que eu havia desembolsado.

Agora há pouco recebo uma ligação dessa senhora. Ela percebeu que a diferença dos R$18,80 continuava nas mãos dela e que eu só tinha deixado de levar o outro livro (eu também só entendi o "estranhamento" da transação nesse momento). Ela pediu que eu levasse o outro livro (o que teve o reajuste) pra ela. Eu informei que poderia levar, mas que o livro estava com o nome da minha filha. Ela então veio dizer - novamente - que se eu não pagasse os R$18,80 que o funcionário que só ganha um salário e rala o dia inteiro teria de arcar com isso. Que isso ficaria na minha consciência. Disse também que vê o funcionário informar a todos os clientes que existe a possibilidade desse reajuste, que não haveria razão para eu não ter sido informada. Ou seja, ela acreditou no funcionário e eu sai da história como uma mesquinha mentirosa.

Eu nunca tive tanto desprazer num atendimento quanto nesse caso. Eu já trabalhei com comércio, sei o quanto é duro. Conheço os dois lados da moeda. O lado do dono (meu pai manteve uma agência de viagens por 22 anos) e o lado do funcionário (fui funcionária do meu pai por mais de 3 anos). Com a experiência que tenho sei que essa cobrança - por eu não ter sido informada da possibilidade no ato da encomenda - é totalmente irregular e é direito meu escolher pagar ou não. Como também sei que é escolha da dona da papelaria descontar do salário do funcionário ou não. O funcionário é responsabilidade da empresa e às vezes falha. Quando isso ocorre a empresa tem que segurar as pontas. Meu pai sempre agiu assim e já teve que cobrir diferenças muito maiores que R$18,80 e nunca precisou apelar para o terrorismo que essa senhora fez. 

Ainda deixei a dica para a senhora dona da papelaria que essa informação deveria ser dada por escrito para que os clientes possam assinar confirmando a ciência. Se o funcionário tivesse pedido desculpas pela falha e a dona falasse comigo que foi um equívoco realmente eu JURO que pagaria a diferença sem pensar duas vezes. Eu apenas estava questionado a cobrança... em momento algum disse que não ia pagar de jeito nenhum. Mas eu fui acusada de mentirosa. Onde foi parar a máxima "o cliente tem sempre razão"?

Desculpem-me por estar usando esse espaço para desabafar, mas achei um absurdo toda essa situação. E de quebra queria fazer esse alarde para que ninguém passe por isso também. Não recomendo a Papelaria Glória da 710 norte. 

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Ai se eu te pego...

A febre da musiquinha dos infernos chegou aqui em casa e enquanto a criança cantarolava o refrão chiclete resolvi dar uma de joão-sem-braço e perguntar se o moço fez uma música pra brincar de pega-pega...

- "DDDÃÃÃÃÃÃÃÃÃ, MÃE!!! É pegar de pegar a mulher!
- Como assim, filha? (sem acreditar que ela estivesse entendendo o sentido da coisa!)
- Pegar de ficar, mãe! Namorar, entende?
- :-O

Como assim minha filha de sete anos já entende esses termos?! Socoooorro!!!

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Era uma vez... o fim das fadas!

Adoro as conversas fantasiosas da Júlia. Ela é capaz de passar muito tempo imaginando coisas, pessoas, situações. Algumas datas contribuem muito para que a cabecinha dela trabalhe a todo vapor. O Natal, a Páscoa... mas o que eu mais gostava era quando caia um dente. As fadas, de um modo geral, sempre me ajudaram muito. Além de levarem os dentes, também já levaram mamadeiras e chupetas. Mas eis que chegou o dia:
- Mãe, eu preciso saber de uma coisa. Mas preciso saber DE VERDADE. 
- Fala, filha. Mamãe não mente pra você.
- Mãe, é você que coloca o dinheirinho debaixo do meu travesseiro?
- ............................ Por que, filha? 
- É ou não é, mãe?
- Filha, o que importa é se você acredita nas fadas ou não. Elas sempre vão existir enquanto você acreditar nelas!
- Tá, mãe, mas eu preciso saber se é você que colocou os dois reais debaixo do meu travesseiro.
- ....... foi .........
- SÉRIO, mãe?!!! hahahahahahaha E foi você que pintou a nota de rosa??
- Não, isso não. Eu juro!!

E aí achei que não tinha sido tão traumática assim essa revelação desconcertante. Mas uns dois dias depois, no carro, ela contou que estava triste com isso. 

Eu também, filha... :-/

Imagem retirada do Google
 “…hoje em dia as crianças sabem tanta coisa que logo deixam de acreditar em fadas. E cada vez que uma criança diz: ‘Eu não acredito em fadas’, em algum lugar uma fada cai morta.” (Peter Pan, p. 47)

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

E no meio da adaptação tinha uma gripe

As meninas passaram as férias muito bem de saúde, obrigada! Daí que no final de semana retrasado, véspera da volta às aulas, as duas começaram com um funga-funga superficial. Saquei o remedinho da homeopatia precioso de cada uma e passamos a primeira semana muito bem! 

Tchau!! Vou pra escolinha!

Joana chorou para entrar na salinha todos os dias, mas a cada dia ela ficava melhor. Sexta-feira o choro da entrada foi tão rápido e suave que parece ter aparecido só pra cumprir o protocolo. Só que vacilei e suspendi a medicação acreditando que ela já estava 100%. Falhei. Final de semana chegou e com ele a febre e a tosse. Nada de escola segunda, terça e voltamos à estaca zero na adaptação.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Lixeira ecológica

Recebi a dica de uma amiga, pesquisei no São Google como colocar em prática e adorei!!

Quer acabar com o uso de sacolinhas plásticas nas lixeiras? Saquinhos de jornal!

O blog De Verde Casa explica direitinho como fazer. É super fácil, rápido e nem preciso dizer o quanto vale a pena, não é mesmo? 


Aqui em casa ficou assim...

Lixeirinha do quarto das meninas

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Lembranças

Ele cantava assim: 

"Ah! Minha linda!
Eu te amo
Ah! Meu Deus!
Como eu te quero
Onde cê tiver eu vou
Você sabe que é sincero...
É na sincera
Meu coração bate
Tipo, acelera
Quando isso acontece
É quando eu sei
Que é à vera
Que já era
Que a coisa é séria
Eu te amo além da matéria
Inverno agora
Depois primavera
Chove lá fora
E o bebê que você espera
Black Alien, meu bem
É o pai do neném
Então venha meu bem
Fazer bebês
Prá uma nova era
Começou quando eu te conheci
Você tá longe de mim
Saudade boa de sentir
De dormir juntinho
Acordar abraçado
Agradecer ao te ver linda
Ali bem do meu lado
Você é minha mulher
E me pede o que quer
Eu farei o que eu puder
Prá realizar o seu desejo
Te acordar
E te cobrir de beijos
Assim que eu vejo
Café na cama com suquinho
Pão, geléia e queijo...
Ah! Minha linda!
Eu te amo
Ah! Meu Deus!
Como eu te quero
Onde cê tiver eu vou
Você sabe que é sincero...
Desde o início
Olhar prá outra
Ficou cada vez mais difícil
Pensei: Com ela
Eu até quero compromisso
Porque antes
Eu nunca tinha
Sentido isso
Levanta o meu moral
Me dá auto-estima
Não me deixa sentir mal
Elogia minha rima
Eu mostro serviço
Você me viu
Achava engraçado
Sempre ficava rindo
Da cueca aparecendo
E da bermuda caindo
Te chamo de linda
Cê me chama de lindo
A gente brinda
A vida segue seguindo
Nós vamos ficar velhinhos
Passeando de mãos dadas
E brincando com os netinhos
E de vez em quando
Um churrasquinho
Com os amigos e vizinhos
Me acompanha no caminho
Não me deixe sozinho
Porque sem o seu amor
Meu bem!
Eu sou um estranho no ninho...
Ah! Minha linda!
Eu te amo
Ah! Meu Deus!
Como eu te quero
Onde cê tiver eu vou
Você sabe que é sincero...
Eu te amo até o fim
Eu quero a vida
Sempre assim
Com você perto de mim
Ao som de Tom Jobim
Miles Davis
E o seu trompete
Eu falo no seu ouvidinho
Você se derrete
E aos domingos
Ouvindo Charles Mingus
Você me diz:
Vem em mim Gus
E me promete
Debaixo do edredon
Ao som de Louis Armstrong
Que ninguém vai nos separar
Nem a Babylon
Só quero ficar
Não boto pilha prá sair
Eu, você e a TV
Tá aconchegante aqui
Eu só quero ficar
Não boto pilha prá sair
Eu, você e a TV
Tá aconchegante aqui...
Ah! Minha linda
Eu te amo
Ah! Meu Deus!
Como eu te quero
Onde cê tiver eu vou
Você sabe que é sincero
..."


segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Sangramento nasal

O nariz da Júlia sangra MUITO. Isso me preocupa, mas o médico já disse que é apenas uma fragilidade capilar. A sugestão para amenizar o problema foi aumentar a ingestão de líquido. Mas não vi muito resultado... 

Enfim, alguém passa por isso e conhece outras soluções?!