terça-feira, 15 de maio de 2012

Ontem voltei a ser uma mãe que trabalha fora.

A última semana de "férias" foi um tanto nostálgica. Senti uma ansiedade, misturada a uma alegria imensa, mas acompanhada de uma certeza angustiante de que daqui pra frente minha vida nunca mais voltará ao que era antes. Nunca. Lembro-me bem de um sentimento semelhante quando estava grávida de Júlia.

As próximas duas semanas serão de treinamento. Carga horária de 8h por dia. Hoje foi o segundo dia e eu já estou morrendo de saudades da Joana (que sempre passava as manhãs comigo). A academia também tem feito falta. Mas o curso tem sido ótimo e eu estou bastante motivada!

Não saber ainda exatamente onde irei trabalhar mexe com a minha cabeça sistemática. A curiosidade faz os dias passarem lentamente. 

Cheguei em casa cansada. Cuidei das meninas, das mochilas de amanhã, das roupas sujas, da louça, tomei um banho e na primeira acordada de Joana me deparei com minha maior aflição. A febre. Eu trabalhando o dia inteiro e filha doente. Não combina. Mediquei. 

Adianta rezar?!

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Pontualidade x Escravidão

Sabe, descobri há pouco que existe uma distância imensa entre o conceito de pontualidade e a relação de escravidão com o relógio.

Imagem retirada daqui

Eu, que sempre me julguei (com orgulho) pontual, de repente percebi que sou escrava das horas. Isso estava gerando um estresse danado! 

Observando minhas amigas foi que consegui perceber o meu exagero. Uma marcava um encontro comigo logo depois de um almoço na casa da sogra. Sabe como são almoços na casa de sogra, né? Demora... ela nunca chegaria no horário que combinou comigo. Mesmo assim ela estava marcando. Certamente ela se atrasaria um pouco, mas tudo bem. Outra tinha uma consulta às 15h. Ela saiu de casa às 15h... e estava tranquila. Como o local da consulta era próximo ela se atrasou apenas 10 minutos. 

Essas duas situações banais mexeram profundamente comigo. Perceber que flexibilizar um pouco a agenda é permitido e que aceitar um atraso sem sofrimento é necessário tem feito de mim uma pessoa muito mais calma.

E quem é mãe de criança pequena sabe... é muita coisa para arrumar, juntar, lembrar, guardar, escolher, carregar. MUITA coisa. E por vezes é impossível dar conta de tudo perfeitamente. Ainda mais quando a mãe em questão tem mania de só sair de casa quando tudo, eu disse t-u-d-o está arrumadinho! É quase um TOC. Se deixo uma cama desarrumada ou um sapato fora do lugar, sofro.

Mas isso já é assunto para outro post!rs

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Show do Palavra Cantada

De 14 a 23 de abril, Brasília foi presenteada com a 1a Bienal Brasil do Livro e da Leitura! Foi um evento muito bacana, cheio de atrações interessantes! 

No último final de semana da Bienal, fomos prestigiar uma das minhas bandas prediletas quando o assunto é música infantil. Curtimos o show gratuito do Palavra Cantada num palco armado no meio da Esplanada dos Ministérios.

Adorei a apresentação que durou mais de uma hora e como chegamos cedo acompanhamos até a passagem de som! Quem se animou de ir atrás até autógrafo conseguiu!

Sandra Peres e Paulo Tatit passando o som

Minha única crítica ficou por conta do horário do show. 10h da manhã o sol já estava insuportável! Perto do final do show ninguém aguentava mais o calor...

Por conta da temperatura escaldante curti mais o show do que as crianças. Não teve picolé, água ou chapéu que aliviasse o mau humor da Júlia, que além de tudo reclamava por não conseguir ver nada. As pessoas ficaram todas de pé... coisa que também não esperava... 

Adivinha que música era essa?

Joana ficou toda empolgada quando a Sandra Peres começou a bater as colheres de pau. Foi o clímax da manhã! "Sopa" é sua preferida!

E vou deixar um salve de agradecimento à minha sogra que topou esse programa comigo... sozinha eu não encarava não! Valeu sogret's!! :-)

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Descartáveis biodegradáveis para festas

A professora da Joana pediu que eu enviasse 15 unidades de gelatina para uma festinha que eles fariam na escola (aniversariantes do mês). Aproveitei a ocasião para comprar copinhos biodegradáveis da nova linha Green Line da marca Regina. 

Os produtos dessa linha ecologicamente correta são todos produzidos a partir de fontes renováveis, são compostáveis e, portanto, devem ser descartados em lixo orgânico. São feitos do bagaço da cana e do amido de milho. Se decompõem em até 180 dias, sem liberação de resíduos tóxicos!

Além disso, são extramente resistentes! Eu SUPER amei e já deixo a dica para quem quiser usar nas próximas festinhas dos filhotes!

Imagem retirada daqui